Publicidade

Publicado em 01/10/2018

GRUPO COMEÇA A ELABORAR PLANO DE INOVAÇÃO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PARANÁ

GRUPO COMEÇA A ELABORAR PLANO DE INOVAÇÃO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PARANÁ Empresários e lideranças de Maringá, Curitiba, Londrina e Cascavel avançam no processo de previsão de cenários futuros e trabalho em rede Desde o início deste ano está em processo d

GRUPO COMEÇA A ELABORAR PLANO DE INOVAÇÃO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PARANÁ

GRUPO COMEÇA A ELABORAR PLANO DE INOVAÇÃO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PARANÁ

Empresários e lideranças de Maringá, Curitiba, Londrina e Cascavel avançam no processo de previsão de cenários futuros e trabalho em rede

Desde o início deste ano está em processo de aplicação a metodologia europeia de Previsão de Cenários Tecnológicos, conhecida como Foresight. Empresários e lideranças do setor da construção civil de Maringá, Curitiba, Londrina e Cascavel analisaram cenários, levantaram necessidades e formaram governanças. Agora, o trabalho avança para a atuação em rede. Representantes das quatro cidades começam a elaborar um plano de inovação setorial para o Paraná.

A aplicação da metodologia Foresight visa auxiliar micro e pequenas empresas da construção civil a aumentar a competitividade por meio da inovação tecnológica. No Paraná ela é desenvolvida por meio da parceria entre Sebrae/PR, Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Paraná (Sinduscon) e Centro Tecnológico Legno Arredo Pesaro (Cosmob).

Utilizada na Europa, a metodologia do Foresight se baseia em ações que possibilitam “prever o futuro” com base em tendências do mercado mundial para orientar o direcionamento de empresa locais.  Em encontros anteriores, os participantes definiram no cenário em que a construção civil está inserida em Maringá e nas demais cidades. Depois, levantaram informações estratégicas e identificaram quais serão as demandas futuras do setor.

Em comum, os representantes do setor das quatro cidades entenderam que a sustentabilidade dos locais, o uso de novos materiais e a qualidade do ambiente interior deverão ser o foco de atuação durante a aplicação de previsão de cenários. Emílio Beltrami, consultor do Cosmob, destaca que a fase atual do grupo, a de elaboração do plano de inovação setorial irá promover o trabalho de forma estruturada com todos os principais parceiros da construção civil paranaense, que estarão focados na mesma visão de futuro.

“Minhas experiências internacionais mostram que nenhuma instituição consegue resolver sozinha os problemas setoriais. É preciso a construção de uma rede, de um grupo de atores que esteja focado. Por isso acreditamos que união estruturada dos esforços de todos estes empresários e lideranças será mais efetivo do que seria se fosse feito o trabalho individual por cidade”, explica Beltrami.

A conclusão do plano de inovação setorial está prevista para acontecer em novembro. Antes disso, o grupo participará de uma missão técnica à Itália. Na ocasião, o grupo vivenciará uma etapa de aprofundamento do conhecimento sobre o Foresight ao visitar as dependências do Cosmob, receber capacitações e ainda participar de uma feira dedicada ao setor da construção civil.

Marcelo Wolff, consultor do Sebrae/PR, frisa que a metodologia possibilita que todos os envolvidos na cadeia produtiva da construção civil tenham uma visão compartilhada sobre o ecossistema e que estejam atentos aos desafios futuros que o setor enfrentará. “O grupo está fazendo o exercício de se preparar agora, de se adequar estruturalmente e tecnologicamente antes dos problemas chegarem. O que resultará em menos dificuldades e também num setor mais capacitado e inovador”, avalia o consultor.

Rede de parceiros

Nas cidades em que está sendo aplicada a metodologia, uma rede de parceiros representantes do segmento foi convidada a participar do processo. João Aguiar, diretor-executivo do Sinduscon em Maringá, destaca que a entidade é parceira da iniciativa por acreditar que ela promove o desenvolvimento das empresas. “Vivemos tempos em que as organizações precisam ser assertivas na tomada de decisão.  O Foresight tem favorecido este comportamento. Ele tem resultado também em uma união positiva, com a presença de diferentes visões de cenários, atores e trocas de experiências que são favoráveis para o crescimento”, diz.

Para Nério Vicente Júnior, diretor Instituto Senai de Inovação, o acesso a informações futuras permite dar passos largos para entender o que ainda virá a ser tendência no Brasil. “Este estudo coletivo serve como alicerce para a mobilização dos empresários para que olhem para o setor de uma nova forma estratégica. A fase prática em que estamos vivendo, de elaboração do plano de inovação, mostra que os participantes estão unidos para absorver as inovações de forma mais ágil e assertiva”, garante.

A qualidade da formação dos futuros profissionais do setor da construção civil também se beneficia com a aplicação da metodologia do Foresight, é o que afirma Lupércio Cascone, diretor de ensino da Feitep. “Ao trazer esta realidade de previsão de adversidades, estamos colaborando para formação de pessoas capazes de se adaptar a mudanças rápidas para gerar inovação de valor. Profissionais capazes de pensar em criar novos padrões para tecnologias, produtos, processo e hábitos sociais”, destaca Cascone.

 

 

Fonte: Assessoria de imprensa Sinduscon PR/NOROESTE

Publicidade

Veja também!

premiumART web sistemas